Geral Teoria Crísica

O GEAC mudou de nome: Máquina Crísica

Por Máquina Crísica

Imagem: Máquina de ideias, Tomás Guzmán, 2016

Maquinaremos crise ali onde o processo disciplinar fomenta a fixação de uma imagem do mundo e da constituição – ou pertencimento – dos seus supostos componentes. Inventaremos um lar precário na intempérie, sem a garantia dos encontros disciplinados, mas forjado na disciplina do encontro incerto, potencialmente carregado de novos possíveis e de outras formas de viver juntxs.

 

* * *

A transição de um estado para outro é afetada quando se leva algo, como um grupo social, um pedaço de madeira ou um feitiço, a um lugar onde suas interações com outras forças façam com que sua própria energia se oponha a seu estado atual. Refiro-me a levar as coisas até o ponto de crise (…) Entrar em crise é da natureza das coisas, é parte do que elas são. As coisas se viram do avesso em virtude de serem coisas, entende? (….) Ora, caso pudéssemos explorar as reservas de energia de crise, em qualquer situação específica, estaríamos falando de um poder enorme.

China Miéville, Estação Perdido.

 

Com o que viemos sendo e fazendo nos últimos anos, com as interações que nosso trajeto proporcionou, foi possível distender o estado que nos conformava até um ponto de ruptura. A crítica transmutou-se em crise e não houve antropologia que a pudesse comportar, ponderar ou moderar. Abdicamos de qualquer disciplina – e, em primeiro lugar, daquela que balizou os primeiros momentos de nossa formação em pesquisa e teoria social.

A crise consumiu o dispositivo disciplinar de cuja inconsistência ela era o sintoma. Precariamente amparada nas suas próprias razões de ser – autonomia intelectual, comunhão do pensamento, invenção política e teórica –, a crise tornou-se Máquina Crísica. Gerada a partir de um excesso de possibilidades que algum dia a disciplina pretendeu regrar com seu afã definicional, com seu construtivismo trivial, com seu cientificismo arrogante e amedrontado, nossa crise existe, atualmente, enquanto uma negação ativa de tudo isso. Ela é, também, a exploração dos infinitos que tal negação nos deixa antever.

Tendo começado nosso itinerário político-teórico pela reivindicação das potências criadoras que a disciplina antropológica tornara objeto de administração institucional – e, portanto, de castração e mutilação –, fomos aos poucos nos orientando na direção de um programa de pesquisa e auto-formação que se propõe a encontrar e acompanhar, na prática e em pensamento, as transgressões que perfuram o ordenamento dominante em diversos tempos e lugares. Hoje, a disciplina antropológica existe para nós como uma normalidade equivalente a outras; uma normalidade que se interrompeu em meio à crise. Normalidade que continuaremos exorcizando com afinco, não por divertimento agonístico, mas sim porque ao desembaraçarmo-nos dela, temos a oportunidade de adensar essa crise que é a nossa e que pode ser a de qualquer uma/um.

Maquinaremos crise ali onde o processo disciplinar fomenta a fixação de uma imagem do mundo e da constituição – ou pertencimento – dos seus supostos componentes. Inventaremos um lar precário na intempérie, sem a garantia dos encontros disciplinados, mas forjado na disciplina do encontro incerto, potencialmente carregado de novos possíveis e de outras formas de viver juntxs.

Por razões burocráticas, estamos impedidos de mudar o nome de nosso perfil no Facebook. Nas demais redes sociais e neste site nós aparecemos, a partir de agora, como Máquina Crísica. Depois das transições vivenciadas nos últimos tempos, este é o nome social que nos identifica.

Um abraço grande a todxs! É bonito caminhar com vocês.

O Grupo de Estudos em Antropologia Crítica é um coletivo independente que atua na criação de espaços de auto-formação e invenção teórico-metodológica. Constituído em 2011, o GEAC se propõe, basicamente, a praticar “marxismos com antropologias”. Isto significa desenvolver meios para refletir, de maneira situada, sobre os devires radicais da conflitividade social contemporânea. Delirada pelo marxismo, a antropologia se transforma, para o GEAC, numa prática de pesquisa e acompanhamento político das alteridades rebeldes que transbordam e transgridem a pretensão totalitária do modo de produção vigente e da sua parafernália institucional.

0 comments on “O GEAC mudou de nome: Máquina Crísica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: